terça-feira, 13 de junho de 2017

Minha doce namorada

Minha doce namorada
Que tanto procuro
Muitas vezes até a madrugada
E não te encontro

Será doce como uma flor?
Terá o encanto da poesia?
Como será o meu amor?
Que me trará a alegria?

Minha doce namorada
Onde estás que não aparece?
Como será o seu rosto?
Quero te conhecer

Imagino a tua fisionomia
Linda e cheia de alegria
O brilho nos seus olhos
Algo que contagia

Como será o teu corpo?
Como será o teu beijo?
Será que já te vi?
Despertando por aí o desejo?

Minha doce namorada
Um dia vou te conhecer
Serei feliz ao seu lado
Com você aprenderei a viver


Alécio Souza

sábado, 20 de maio de 2017

Algo se perdeu

Algo se perdeu
Quando confiei em você os meus planos
Acreditei no seu amor por engano
Hoje percebo que foi um ato insano

Algo se perdeu
Quando descobri realmente a verdade
Infelizmente já era tarde
Você agiu de forma covarde

Algo se perdeu
Quando o sentimento se transformou
O amor que sentia acabou
E somente a decepção foi o que restou

Algo se perdeu
Deixando marcas difíceis de apagar
Só quero agora não parar de sonhar
E um dia voltar a amar


Alécio Souza

terça-feira, 18 de abril de 2017

Recomeço

Dúvidas cruéis assolam o meu coração
Na busca incessante de uma explicação
Não entendo porque temos que sofrer tanto
Pra conquistar algo que estamos esperando

Caminhos tortuosos temos que percorrer
No sonho da nossa alegria de viver
Ainda não sei, mas gostaria de saber
O que faço pra essa tristeza esquecer

O que me alivia é a esperança do amanhã
No sol brilhando forte de manhã
Nas pessoas amigas que conheço
E que me motivam para um novo recomeço


Alécio Souza

terça-feira, 21 de março de 2017

Despedida

Hoje é um dia de despedida
De uma pessoa muito querida
Mas é também o início de uma nova vida
Que renasce depois da partida

A dor nesse momento é imensa
Nos apunhala de forma intensa
Sentirei muitas saudades da sua ausência
De sua alegria e irreverência

Pai, onde quer que você esteja agora
Estarei sempre pensando em você
Mesmo sabendo que todos nós temos a sua hora
A sua lembrança ficará sempre na memória

Siga em paz no seu novo caminho
Que nunca mais haverá espinho
Leve consigo o amor verdadeiro
No coração que sempre foi guerreiro


Obs.: Esta é uma pequena homenagem que fiz para o meu pai um dia após a sua partida, que hoje completam exatos 8 anos. Pai, o senhor sempre foi um orgulho para a nossa família e hoje com toda a certeza o céu anda muito mais feliz com a sua presença! Que Deus sempre ilumine a sua caminhada!


Alécio Souza

terça-feira, 21 de fevereiro de 2017

Uma bela canção

Uma bela canção faz a gente sonhar
Alegra os nossos dias, nos faz viajar
Canções sempre nos fazem lembrar
Momentos que vamos sempre recordar

Amores, perdas, acontecimentos, partidas
As canções marcam as nossas vidas
A nossa infância, adolescência e a maturidade
São eternas e não tem idade

Uma bela canção pode ser lenta ou agitada
Pode ser alegre, triste ou apaixonada
Nos casais é uma marca registrada
Na solidão é o consolo da pessoa abandonada

As belas canções nunca deixarão de existir
Novas ou antigas nos farão refletir
Também nos farão chorar e sorrir
E com elas sempre vamos seguir


Alécio Souza

terça-feira, 31 de janeiro de 2017

O efeito da "coxinização" mundial

Nas últimas eleições municipais ocorridas no Brasil no final de 2016, vimos uma grande mudança de mentalidade da nossa população. Em decorrência dos muitos escândalos de corrupção associados aos políticos que estão ou passaram pelo poder recentemente, houve uma resposta nas urnas digamos que bastante conservadora. Em outras palavras, os candidatos dos partidos de direita venceram a maioria das eleições nas principais capitais e também nas cidades do interior, os partidos de esquerda que dominaram a eleição passada tiveram a sua pior rejeição.

Essa foi à eleição dos candidatos “coxinhas”, onde empresários, pastores e políticos sem muita identificação com a população mais carente foram eleitos com certa tranquilidade. No cenário atual a esquerda perdeu terreno em comparação há eleições anteriores, muito pelo que o país anda atravessando e o descrédito do povo. Os partidos da esquerda sempre foram pautados pela luta contra a desigualdade social, pelo direito de todos os cidadãos terem as mesmas condições, acesso há bons hospitais e ensino de qualidade, melhoria na qualidade de vida e distribuição de renda. Essa identificação e ideologia se perderam muito em função da corrupção que assola o país e que sejamos honestos, fez parte de todos os governos anteriores sejam eles de partidos de direita ou esquerda.

Praticamente no mesmo período das eleições municipais aqui do Brasil tivemos a eleição para presidente nos EUA, onde o candidato republicano Donald Trump foi eleito para a surpresa e decepção de grande parte da população. Neste caso também podemos observar a mudança na postura da população ao eleger um político conservador, que igualmente ao Brasil elegeu candidatos com perfil semelhante. O efeito da “coxinização” parece ter tomado conta em escala mundial, onde os eleitos pelo povo são candidatos ricos, brancos, empresários, sem identificação alguma com a população mais carente e com discursos conservadores e sem nenhuma abrangência.

O termo “coxinha”, no dicionário refere-se às pessoas certinhas, arrumadinhas, almofadinhas. É também descrito como “coxinha”, as pessoas com alto padrão de vida, os conservadores, mauricinhos e aqueles que se preocupam demais com a sua imagem. Entram nessa lista os empresários, playboys, políticos, profissionais liberais bem sucedidos e todas as pessoas com uma visão individualista, preconceituosa, racista, separatista e que apoiam o conceito da meritocracia. Para o coxinha qualquer pessoa pode obter sucesso na vida apenas através do seu esforço pessoal, não importando de qual classe social ela venha, de qual raça ela seja e o quanto ela seja excluída pela sociedade.

Sabemos que toda a insatisfação com a classe política, especialmente aqui no Brasil, gera revolta na população que busca por mudanças e um país melhor para se viver, porém eleger velhos políticos que no passado já demonstraram falta de caráter, ambição pelo poder, que tiveram más gestões e que possuem denúncias e processos no seu nome ou ainda aqueles que não se consideram políticos de carreira como os empresários e pastores, que pregam um discurso bonito, mas que no fundo são todos farinha do mesmo saco não é uma solução das mais inteligentes. Que renovação é essa onde se elegem políticos ou não políticos com mentalidade e atitudes retrógradas, cometendo os mesmos erros de governos passados. Onde está a renovação nesse contexto?

Realmente não está fácil acreditar na classe política hoje em dia, vejo um longo caminho pela frente rumo há tempos melhores. Diante das últimas decepções tanto no Brasil quanto nos EUA, acredito que o momento seja de muita reflexão e sabedoria para decidirmos qual futuro queremos para o nosso país. Não acredito mais em partidos ou siglas, acredito em pessoas de caráter que ainda podem construir uma nação mais justa, que podem fazer grandes mudanças na maneira de se fazer política sendo honestas e corretas. Desejo e sonho com o dia em que todas as pessoas tenham os mesmos direitos, as mesmas condições, as mesmas oportunidades, que não existam divisões de classes, que os negros tenham as mesmas chances que os brancos têm e que o país seja mais humano e solidário. Pode ser utopia, mas é o que desejo, um mundo melhor e mais justo para todos.


Alécio Souza

sábado, 7 de janeiro de 2017

Vida Frágil

Às vezes me pergunto em pensamento
Como a nossa vida pode ser tão frágil?
Em certas horas ela pode se tornar um tormento
Ou ser intensa e maravilhosa

Porém, não há explicação
Quando surge um problema
Não sabemos como agir
E a vida se torna um dilema

Quero acreditar no amanhã
Na beleza inebriante de um por do sol
Ou na paz que o mar transborda
Com suas ondas por toda a orla

É na dificuldade que vemos o mundo ao nosso redor
Com suas nuances e probabilidades
E as perspectivas de um futuro melhor
Cheio de idéias e oportunidades

Temos que ser feliz a cada instante
Aproveitar cada momento
Seguindo sempre adiante
Em busca do nosso alento


Alécio Souza